No dia 2 de julho de 2017 a BALADI – Federação Nacional dos Baldios realizou, na Aula Magna da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, em Vila Real, a VI Conferência Nacional dos Baldios centrando-se no tema “Os Baldios – 40 anos depois de abril, recursos e oportunidades para o desenvolvimento sustentado das comunidades locais”. Para além do tema central, esta sexta edição dividiu-se em 3 subtemas: “O futuro quadro legal dos Baldios”, “Desafios do associativismo em áreas baldias” e “Baldio: Espaço de oportunidades” que se distribuíram por 3 salas.

A conferência contou com a presença de cerca de 350 participantes, entre representantes das comunidades locais, dirigentes associativos, técnicos e académicos, nacionais e estrangeiros.

A realização deste evento focou-se na Lei do Baldios que, segundo Armando de Carvalho na sua intervenção de abertura, “em termos globais é uma lei infinitamente melhor que a atual. Contém instrumentos normativos que se houver uma manifesta vontade do poder central, conjugada com o interesse dos representantes das comunidades locais, recursos dos baldios e políticas públicas, poderá ser a âncora que os Povos serranos precisam para o necessário desenvolvimento sustentado de muitas aldeias”. Ainda assim não deixou de ser abordada a tragédia dos incêndios que atingiu a região centro do país no mês de junho.

Para as áreas baldias reclamou-se a aplicação da nova lei de modo a por, definitivamente, fim a todos os entraves a uma gestão conforme a vontade dos compartes, garantido a sua autonomia formal e material face ao Estado.